Neste âmbito, qual o papel que a reutilização de traçados ferroviários no Alentejo e do património associado, poderia desempenhar no sentido de se obter uma maior integração multi-produto? Que formas poderia revestir essa reutilização? Pode dar exemplos práticos, a partir de uma linha desativada? E como se concretizaria esse maior integração multi-produto, por exemplo em novos negócios turísticos? O conceito de co-criação acomoda muito bem os pequenos e micro-negócios turísticos da animação, área em que o Alentejo ainda precisa de desenvolver alguma massa critica e mais projectos inovadores. Conjugando aquela aceção de organização de valor turístico (co-criação), com a dimensão de turismo sustentável no Alentejo, que train experiences, e negócios associados (a partir dos traçados/linhas atualmente disponíveis e em operação comercial regular) se poderia propor e desenvolver na Região?